ASHTANGA VINYASA YOGA

AshtangaÉ uma forma de praticar Hatha Yoga, porém de forma dinâmica e fisicamente intensa. O Ashtanga Vinyasa Yoga é caracterizado por 6 séries fixas de asanas (posturas), as quais são executadas de maneira fluida tendo a respiração como fio condutor. O praticante vai avançando dentro de uma das séries e depois de uma série para outra a medida que vai conquistando os posturas gradativamente.

O Ashtanga Vinyasa Yoga baseia-se nos ensinamentos descritos pelo sábio Vamana Rishi no Yoga Korunta, texto muito antigo que na década de 1920 foi transcrito pelo yogi e professor de sânscrito Sri T. Krishnamacharya. Anos mais tarde, ensinou o método para seu aluno Pattabhi Jois, responsável por sua disseminação.

O método possui aspectos fundamentais que caracterizam sua prática:

VINYASA
Sistema que se refere à conexão da respiração com o movimento, criando um fluxo dinâmico durante a prática. Essa fluidez de movimento e respiração diferencia o Ashtanga de outras formas de Hatha Yoga. O propósito do vinyasa é a limpeza interna. Quando realizamos o vinyasa, o calor intenso gerado no interior dos órgãos é profundamente purificador e induz o corpo a liberar as toxinas na forma de suor, além de tornar o corpo forte, saudável, flexível e leve ao mesmo tempo.

Os seis venenos
Um aspecto vital da purificação interna que Pattabhi Jois ensina está relacionado aos seis venenos que cercam o coração espiritual. No shastra yoga é dito que Deus habita em nosso coração em forma de luz, mas esta luz é coberta por seis venenos: kama (desejo), krodha (raiva), moha (ilusão), lobha (ganância), matsarya (inveja), e mada (preguiça). Quando a prática do yoga é mantida com grande empenho e dedicação por um longo período de tempo, o calor gerado queima estes venenos, e a luz da nossa natureza interior brilha. Esta constitui a base prática e filosófica do Ashtanga Yoga como ensinado por Sri K. Pattabhi Jois.

RESPIRAÇÃO UJJAYI
Significa “vitorioso”. É a respiração usada durante toda a prática em sincronia aos movimentos. Quando praticamos a respiração ujjayi, criamos um som sussurrante na parte posterior da garganta similar ao som de ondas distantes. Para criar esse som, respiramos pelas narinas, suavizando o palato e estreitando a epiglote (abertura no fundo da garganta). Isso permite o controle da respiração, um maior aquecimento do ar ao passar mais lentamente pelos seios da face, e um maior foco durante a prática.

BANDHAS
Significa fechar, prender . São fechaduras internas criadas pela contração dos músculos em áreas específicas do corpo, com a função de canalizar a energia vital (prana) para cima. A sustentação desses fechos proporciona energia extra para prática de ashtanga, ajudando a conter o calor gerado pelos vinyasas. Em termos físicos, sustentam a lombar e os órgãos internos, tornando a prática mais leve, reduzindo assim o esforço físico durante a prática.

São três os bandhas usados:
Mula bandha: fechadura da raiz
Uddiyana bandha: fechadura do baixo ventre
Jalandhara bandha: fechadura da garganta

DRISHTIS
São focos oculares em determinadas partes do corpo e do ambiente que ajudam o praticante a manter-se concentrado durante a prática, ajudando a mente a desenvolver um olhar interior mais profundo. São nove drishtis: ponta do nariz, intercílios, umbigo, mão, pontas dos pés, lado direito, lado esquerdo, polegares, em direção ao céu.

Ashtanga   Ashtanga


 voltar